sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Colar perfumeiro + curiosidades sobre os perfumes!

Ganhei de presente um colar muito lindo, me encantei assim que vi e depois que soube que havia utilidade fiquei mais surpresa ainda...é um colar Perfumeiro, para pôr dentro perfume, óleos... enfim...
É muito comum esses tipos de Joias no Oriente, que geralmente servem para guardar algo dentro, esse pingente que ganhei veio da Índia e ao redor tem alguns mantras decorando a peça! Lá também é muito comum os perfumes não serem tão líquidos, são tipo óleos e também fica mais fácil para pôr nos perfumeiros e não derramar! As fragrâncias são das mais diversas, os árabes e egípcios são amantes dos perfumes desde antigamente e a variedade é gigantesca agradando assim pessoas do mundo inteiro, além disso os vidrinhos dos perfumes ou óleos também são encantadores, não tem como não se apaixonar! Para quem não sabe, sou descendente de árabes então amo todas essas lindezas vindas do oriente, joias, vidrinhos, enfeites...minha mãe sempre presenteia eu e minha irmã com esses óleos nos vidrinhos, realmente são muito cheirosos e mágicos, um encanto! Separei algumas curiosidades bem interessantes sobre os perfumes para compartilhar aqui no Santta...espero que gostem também! Até mais...

- Há 500 mil anos, os ancestrais dos homens já se arriscavam com experiências aromáticas. Eles queimavam resinas e madeiras para melhorar o cheiro dos alimentos e até mesmo para oferecer aos deuses. Essa fumaça cheirosa, aliás, explica a origem do termo perfume: “per fumum”, que significa “por meio do fumo” ou “por meio da fumaça”.

- O perfume que usamos atualmente é uma mistura de óleos essenciais e aromáticos misturados ao álcool e à água. Mas os primeiros perfumes, criados no Egito, eram acessórios raros, usados apenas por deuses.

- Os sacerdotes e faraós do Egito foram os primeiros a utilizarem esse tipo de fragrância de essências aromáticas. No século IX, um químico árabe escreveu o primeiro livro sobre perfumes, onde havia 107 receitas de misturas perfumadas e aromas de flores.

- A rainha Cleópatra foi uma das primeiras mulheres a seduzir seus parceiros usando perfumes. Marco Antônio e Julio César não resistiram ao cheiro de flores de henna, açafrão, menta e zimbro da rainha.

- O povo árabe também possui grande importância na evolução e no desenvolvimento dos perfumes, pois foi este povo que desenvolveu as técnicas de destilação das matérias primas para a criação dos aromas perfumados. Com os árabes, passaram a exercer o uso do perfume de maneira pessoal.

- O perfume só chegou à Europa na época do renascimento e, a partir daí, o produto se espalhou pelo mundo, conquistando vários adeptos.

- As essências são divididas em famílias. Há os perfumes amadeirados (sândalo, patchuli), os de âmbar (orientais), os cítricos (limão, laranja), os de Chipre (mistura de amadeirados, florais e cítricos), além dos florais e com pegada de couro: mix de madeiras queimadas, couro e tabaco. A arte da perfumaria consiste em encontrar os melhores aromas nesse caldeirão de essências.

-Supostamente o perfume nasceu em estreita ligação com a religião, sendo utilizado como purificante das almas e como oferenda aos deuses.

-Os egípcios acreditavam que os seus pedidos e orações chegariam mais depressa à morada dos deuses se viajassem nas densas nuvens de fumo aromático que se erguiam dos altares e ascendiam aos céus.

-Além de terem adquirido uma função cada vez mais importante nos processos de mumificação dos corpos, os perfumes tiveram um papel na definição da hierarquia social. Os profundos conhecimentos de flores e especiarias, como o açafrão, canela, óleo de cedro, mirra e outras resinas, ajudavam a criar perfumes delicados para os aristocratas da corte egípcia, que os incluíram nos seus rituais quotidianos. Por exemplo, as mulheres usavam brincos ocos cheios de perfume, para além de perfumarem roupas e águas dos banhos e de untarem os seus corpos com uma infinidade de óleos e fragrâncias.


- A perfumaria também se encontra, desde a Antiguidade, ligada à ciência médica. Na Grécia Antiga, Hipócrates, conhecido como o “pai da medicina”, utilizava pequenos concentrados de perfume para combater certas enfermidades.

Fonte: sitedecuriosidades.com / Naturlink







Um comentário: